fbpx
Portofino Investimentos prepara IPO; Empresa gere R$ 4,7bi

Portofino Investimentos prepara IPO; Empresa gere R$ 4,7bi

A gestora Portofino Investimentos está na fase final de escolha do banco de investimentos para mandatar seu IPO em 2022. Com crescimento de 47% nos primeiros cinco meses de 2020, a empresa pretende encerrar o ano com R$ 7 bilhões sob gestão; e R$ 15 bilhões no ano que vem.

Atualmente, a Portofino gere R$ 4,7 bilhões, com 13 sócios e 250 famílias como clientes em todo Brasil e exterior, além de escritórios em São Paulo, Porto Alegre e NY.

Fundada em 2012, por Carolina Giovanella, o foco da gestora é nos clientes com patrimônio superior a R$ 5 milhões. Entre seus serviços, oferece um portfólio completo de gerenciamento de patrimônios: desde o planejamento financeiro e sucessório; gestão de investimentos; compensações fiscais; e uma série de outros serviços construídos para cada família.

Seja com remuneração no modelo performance ou percentuais sob o patrimônio total gerido, e Portofino reforça que “a transparência e devolução de rebates é fundamental para seu modelo, o que evita qualquer conflito de interesses na recomendação de ativos”. A fundadora, Carolina Giovanella, acrescenta: “Estamos aqui para proteger e ampliar o patrimônio de nossos clientes. Eles crescem e todos nós crescemos juntos”.

Mesmo durante a pandemia, a gestora está aumentando seu quadro de profissionais, graças a uma infraestrutura que permite que seus colaboradores trabalhem de qualquer lugar.

Para o segundo semestre de 2020, a gestora prepara o relançamento de sua marca com o objetivo de reforçar a sua presença no mercado global de Multi Family Office.

Para ler a reportagem completa, clique aqui.

Recorde histórico do ouro reflete a tensão do mercado com o dólar

Recorde histórico do ouro reflete a tensão do mercado com o dólar

Tradicionalmente considerado o porto seguro dos investidores, a cotação do ouro sobe conforme a gravidade das crises financeiras. Como os impactos do novo coronavírus na economia estão entre os mais fortes da história, não é de se surpreender que o valor do ouro esteja atingindo patamares históricos. A cotação do metal disparou, ultrapassou até mesmo o nível de 2011 e se aproximou dos 2 mil dólares a onça troy (31,1035 gramas) nos índices futuros. No final da manhã dessa segunda-feira, operava em alta de 2,05%, a 1.964,60 dólares a onça troy. A expectativa dos especialistas é que ela suba ainda mais. “As pessoas estão com receio do poder de compra do dinheiro, então estão comprando mais ativos físicos, como ouro, casa e ações de empresas”, diz Adriano Cantreva, sócio da Portofino Investimentos.

É impossível falar de ouro sem falar de dólar. Até o dólar se tornar a principal moeda do mundo, o ouro era o principal valor de transação, acompanhando a libra esterlina da potente Inglaterra, antes da Primeira Guerra Mundial. Com o fortalecimento da economia dos Estados Unidos no pós-guerra, o dólar substituiu o ouro e hoje é responsável por 80% de todas as transações mundiais. Por isso é natural e histórico que os investidores se refugiem no ouro quando a economia e a moeda americana não vão bem.

Para ler a reportagem completa, clique aqui.